18 de maio de 2018

As mulheres podem falar na igreja?


A dúvida surge com a leitura dos seguintes versículos:

“As vossas mulheres estejam caladas nas igrejas; porque não lhes é permitido falar; mas estejam sujeitas, como também ordena a lei. E, se querem aprender alguma coisa, interroguem em casa a seus próprios maridos; porque é vergonhoso que as mulheres falem na igreja” (1 Coríntios 14:34–35).

“Quero, entretanto, que saibais ser Cristo o cabeça de todo homem, e o homem, o cabeça da mulher, e Deus, o cabeça de Cristo” (1 Coríntios 11:3).

“A mulher aprenda em silêncio, com toda a submissão. E não permito que a mulher ensine, nem exerça autoridade de homem; esteja, porém, em silêncio” (1 Timóteo 2:11–12). 

“Porque primeiro foi formado Adão, e depois Eva. E Adão não foi enganado, mas sim a mulher, que, tendo sido enganada, tornou-se transgressora” (1 Timóteo 2:13–14).

Depois de visarmos estas passagens bíblicas, fica evidente que as mulheres são proibidas de falar na igreja — que não é, por sua vez, um templo de tijolos, mas o corpo de Cristo.

Antes de prosseguir: não devemos analisar cultura, mas a Palavra. O que vale mais: a Bíblia ou a cultura?

Perceba: a ordem de Deus não diminui a mulher, mas é apenas uma diretriz que vale para esta vida.

Para entendermos o porquê da mulher ser proibida de ensinar, precisamos voltar no Éden:

“E ordenou o Senhor Deus ao homem, dizendo: De toda a árvore do jardim comerás livremente, mas da árvore do conhecimento do bem e do mal, dela não comerás; porque no dia em que dela comeres, certamente morrerás” (Gênesis 2:16–17).

“E disse a mulher à serpente: Do fruto das árvores do jardim comeremos, mas do fruto da árvore que está no meio do jardim, disse Deus: Não comereis dele, nem nele tocareis para que não morrais” (Gênesis 3:2–3).

A mulher (Eva) aumentou a ordem de Deus incluindo “nem nele tocareis”, algo que o Senhor nunca disse. Ela ficou vulnerável ao erro por crer em sua própria versão, dando brecha a Satanás.

“Então a serpente disse à mulher: Certamente não morrereis” (Gênesis 3:4).

Adão, no entanto, não foi enganado. Estava lúcido.

“E Adão não foi enganado, mas a mulher, sendo enganada, caiu em transgressão” (1 Timóteo 2:14).

Você — que prega o contrário do que está escrito — vai argumentar que Ana era profetisa, com base em Lucas 2:36:

E estava ali a profetisa Ana, filha de Fanuel, da tribo de Aser. Esta era já avançada em idade, e tinha vivido com o marido sete anos, desde a sua virgindade”.

Sim, não obstante, ela não se encontrava em uma reunião da igreja, até porque adorava no templo (ver Lucas 2:37). Era uma israelita e não vivia no contexto celestial de Deus.

Não convencido, apresentará Febe, que era diaconisa na igreja de Cencréia (Romanos 16:1). Contudo, o diaconato é um serviço, não um dom. Portanto, inexiste ligação disso à questão da mulher falar nas reuniões.

E por fim, o que dizer das quatro filhas profetisas de Filipe (Atos 21:8–9; Romanos 16:3)? Elas profetizavam, mas não na igreja.

Ademais, não. As mulheres são proibidas de falar na igreja — no sentido de ensinar —‚ porque‚ como vimos‚ estão mais suscetíveis a se equivocar.

Há quem tanta deturpar o que o Senhor disse através do apóstolo Paulo, chamando-o até de “machista” e “contra as minorias”, porém...

“Se alguém se considera profeta ou espiritual, reconheça ser mandamento do Senhor o que vos escrevo. E, se alguém o ignorar, será ignorado” (1 Coríntios 14:37–38).

18 de abril de 2018

Sou salvo pela graça?


“Eu lhes asseguro: Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida” (João 5:24).

“Em quem também vós estais, depois que ouvistes a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação; e, tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa; o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão adquirida, para louvor da sua glória” (Efésios 1:13–14).

Estas coisas vos escrevi a vós, os que credes no nome do Filho de Deus, para que saibais que tendes a vida eterna, e para que creiais no nome do Filho de Deus” (1 João 5:13).

Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus. Não vem das obras, para que ninguém se glorie; porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas” (Efésios 2:8–10).

Após a leitura das passagens acima, não restam dúvidas quanto à nossa salvação. Somos salvos pela graça, não por obras. E ela é eterna, ou seja: uma vez salvos, salvos para sempre.

Eis a verdade: a maioria dos que se dizem cristãos acreditam mais em seus próprios esforços do que na eficácia do sangue de Jesus.

Já pensou se a nossa salvação fosse por obras? Abaixo, alguns pontos que respondem à pergunta:

  • Deus teria de dividir sua glória conosco (Efésios 2:8–10);
  • O sacrifício de Cristo teria sido em vão (Gálatas 2:21);
  • Nunca teríamos certeza de nada, pois não saberíamos o quanto de boas obras seria necessário para nos levar ao céu.

30 de março de 2018

Devo celebrar a Páscoa?


A palavra “páscoa” vem do hebraico “pessach”, que significa “passar por cima”. O contexto é a última e pior das dez pragas do Egito enviadas pelo Senhor, quando Iahweh — Deus — passou pelo meio daquela terra para ferir os primogênitos dos egípcios, desde o primogênito do Faraó até os primogênitos do gado (Êxodo 11:4). Entretanto, passou adiante, por cima das casas que tinham o sangue de um cordeiro como sinal (Êxodo 12:12).

Mas a pergunta é: devo celebrar a Páscoa? A resposta é não. A cerimônia foi instituída por Deus para que o povo de Israel comemorasse sua saída do Egito (conferir Êxodo 12). A ordenança não foi dada a nós, igreja. O cordeiro ali sacrificado nada mais era do que uma sombra do verdadeiro Cordeiro de Deus, o qual derramou seu sangue para nos purificar externa e internamente (Hebreus 10:1–14).

A Páscoa do cristão não é um ritual, mas uma pessoa: Cristo (1 Coríntios 5:7). Jesus, todavia, por ser um judeu, celebrou a Páscoa. Afinal, ele não veio para abolir a lei, mas para cumpri-la plenamente (Mateus 5:17–18).

Portanto, as cerimônias feitas na atualidade não servem de nada. Nem ao menos constam na doutrina dos apóstolos. Foram emprestadas da única religião constituída por Deus, o judaísmo, mais de quatro séculos depois de Cristo.